Tecnologia da Informação e o desafio da Transformação Digital (Parte 1)

Quando o gestor de tecnologia  deixa de ser o “mal necessário” para se tornar o protagonista das mudanças…

Vale lembrar que para entender o termo “digital” no Brasil, temos que fazer uma breve viagem no tempo…voltando ao ano de 1995, foi lançado o primeiro celular, o Motorola PT-550, e se dava então início a era móvel. Enquanto isso, na área da informática, a Microsoft trazia o Windows 95 e o Pacote Office, firmando-se como ferramentas fundamentais para os profissionais de diversos seguimentos.

Na primeira metade dos anos 2000, quando o país já movimentava US$12,7 bi em TI, tivemos outro marco importante. O Control Objectives for Information and related Technology (COBIT) incorporava os princípios da Lei Sarbanes-Oxley (SOX) na área de tecnologia, visando garantir a criação de mecanismos de auditoria, segurança e transparência na gestão das empresas. Iniciava-se assim o foco em conceitos, práticas e controles de Governança Corporativa intensificando a relevância da tecnologia como meio de sustentabilidade para o negócio.

Até o ano 2010, outros movimentos importantes ressaltaram o papel da TI, como o crescimento da prática de outsourcing como estratégia de negócio, bem como a inserção da tecnologia em todos os aspectos de negócio, indo além dos ganhos de produtividade e controle. Até que então presenciamos o nascimento do Google, a explosão das redes sociais, e, sobretudo, o WhatsApp que possibilitaram a alavancagem e a transformação de vários modelos de negócio existentes até então. Uma evidência disso é que já em 2015 o número de transações feitas por mobile banking chegava a R$11,2 bi, que representava 138% mais do que as transações realizadas no ano anterior.

Atualmente, a palavra inovação está presente em todas as discussões de negócio no pais, que vão desde as start ups sediadas em incubadoras ou aceleradoras, até as grandes empresas que buscam aumentar os níveis de inovação interna, ou então, se conectarem a ecossistemas de inovação que hoje ultrapassam as fronteiras regionais e/ou setorial e industrial. Por essa razão, “dentro de casa” nas empresas de diferentes portes, a preocupação é latente com a questão digital, seja na busca pela adoção de robôs que integrem sistemas ou executem atividades repetitivas de baixo valor agregado, seja pela adoção do analytics em busca por mineração e cruzamento de dados para encontrar insights que poderão transformar o negócio da companhia.

O ponto comum e marcante dessa nova era é o posicionamento do cliente no centro das inovações (Design Thinking), bem como a aceleração na implementação de novos modelos que podem caducar antes mesmo de serem ofertados (aceleração via adoção de métodos ágeis). De fato, com os ganhos de escopo e de escala que se tornaram possíveis, mesmo quando se foca em “tribos” específicas e em esfera global, pode-se atingir o ponto de equilíbrio de novos investimentos na modelagem e implementação de negócios altamente inovadores, podendo ser alavancados por estruturas de financiamento cada vez mais disruptivas e com alcance cada vez maior.

Ainda que na era “cloud”, com investimentos recentes acima de U$4.5 bi, vale lembrar que as questões de governança corporativa tendem a se tornar cada vez mais fortes. Com  a visão central do cliente, também se fortalecem questões de complaince que visam proteger suas informações pessoais, como se evidencia com o advento da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) promoverá uma preocupação cada vez maior com a Governança de Dados, onde qualidade, segurança da informação e metadados aumentam sua relevância numa sociedade cada vez mais conectada. E a posição da TI nas empresas, como se enquadra nesse novo contexto? Como deveria ser sua atuação para melhor desempenhar seu papel de transformação?

 

Quais são os desafios da TI rumo à transformação digital das empresas?

A velocidade com que a transformação digital está afetando os negócios coloca a TI numa posição mais estratégica a cada dia, por isso, torna-se essencial reconfigurar a atuação, expandir sua comunicação para além da linguagem tech e inserir elementos que extrapolam a agenda operacional. É o momento de falarmos de mudança de mindset e de inovação na gestão.

Para a Addunt Consulting, é chegado o momento em que nós, como empresa, devemos fazer a seguinte pergunta: Como deixar de ser o “mal necessário” a fim de se tornar o protagonista da transformação?

 

Nosso Objetivo

Posicionar o CIO como protagonista da transformação dos negócios, oferecendo acesso ágil a ferramentas, metodologias, mentoria, apoiando a execução das ações na jornada de transformação digital. Para isso dividimos as ofertas de serviço em três seguimentos que se completam e podem até se paralelizar em um dado momento da jornada do CIO nas empresas:

Agenda Operacional

Em busca da excelência – Ser competente, conseguir o melhor rendimento com o mínimo de erros e desperdícios.

  • Aproximar e criar relacionamento com o negócio;
  • Estruturar o modelo de operação e equipes;
  • Garantir uma governança operacional, regulatória e compliance;
  • Otimizar os recursos;
  • Gerir riscos por meio de mapeamento e planos de ação;
  • Apoiar projetos complexos estratégica e taticamente.

Agenda da Transformação

Em busca de mudança – Mobilizar as mudanças necessárias que habitam na cultura, nos hábitos e nas crenças do setor.

  • Digitalizar o CIO – ser referência no novo papel da T.I
  • Viabilizar as novas tendências de comportamento e tecnologia;
  • Incorporar o elemento cultura organizacional nos projetos;
  • Engajar as equipes na inovação;
  • Postura proativa na comunicação e compromisso com a mudança.

Agenda da Inovação

Em busca da experimentação – Patrocinar as estratégias emergentes e experimentar novas soluções para antigos desafios.

  • Desenhar e planejar a agenda;
  • Estabelecer um canal de conexão com os ecossistemas de inovação (aceleradoras, startups, universidades, entre outros);
  • Implementar método na execução das ações;
  • Apoiar projetos inovadores estratégica e taticamente.

Nossos pilares de atuação 

 

“O planejamento não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações das decisões presentes.”

Peter Drucker

 

Estratégia

A estratégia Addunt foi traçada pensando em dar o suporte necessário à construção. Coordenamos os ciclos colaborativos de inovação e estratégia, elaboramos os overviews de mercado, realizamos pesquisas de segmentação, benchmarking com empresas de referência e planejamos os novos negócios em metodologia Lean Startup.

 

Design de gestão e operação

Construção de novos modelos de gestão e processos, guiados por levantamentos individuais ou workshops em parcerias, que contam com a expertise de diferentes especialistas. Etapas guiadas por modelos de gestão, ferramentas Lean e Design Thinking.

Assim sendo, apoiamos as etapas da transformação digital; governança de TI e de dados e automação de processos por workflows em nuvem e RPA.

Implementação

Implantamos os programas de transformação organizacional/digital e de PMO. Desta forma, atuamos em frameworks ágeis (SCRUM) e tradicionais (PMBoK).

Realizamos treinamento de equipes em novos processos e skills, como operação assistida e gestão da mudança.

Inovação e Tecnologia

Aportamos novos conhecimentos, tecnologias e expertises em todos os nossos projetos.

 

Planejamento Estratégico (P.E.)

Uma vez elaborada uma estratégia para uso da TI em uma instituição, temos um Planejamento Estratégico (P.E.). É a partir daqui que decidimos, com clareza o posicionamento estratégico do negócio, frente aos concorrentes, nichos de mercado e tendências.

Buscamos, ainda por meio do P.E. o alinhamento das técnicas de negócio com as demais áreas organizacionais: Pessoas, Finanças, Processos, etc.; além da otimização dos investimentos em iniciativas de alto valor ao negócio, criando valor para os clientes.

 

Estratégias

Contribuímos com a construção de estratégias apoiadas em estudos de mercado e enriquecidas por Steam Workshops – encontros facilitados por ferramentas de design colaborativo.

Deste modo, apresentamos diversos conceitos de gestão, modelagem Lean de negócios e especialistas convidados, estimulando assim a construção de soluções inovadoras e customizadas à realidade de cada negócio.

  • Overview de mercado com principais práticas, players e tendências;
  • Pesquisas de segmentação e satisfação orientadas por Design de Experiência;
  • Benchmarking colaborativo com player de mercado;
  • Modelagem de negócios Lean Startup;
  • Steam Workshops – encontros colaborativos de inovação e estratégia.

 

Possíveis Abordagens para construção de um Planejamento Estratégico

 

Como executamos um ciclo de P.E.

Em um primeiro momento, definimos o Fluxo de Planejamento Estratégico e metodologias de apoio. Definimos junto com o cliente a metodologia de apoio e do fluxo de trabalho que será aplicado no ciclo de elaboração.

Depois, entendemos o contexto atual (dentro e fora) e preparamos os materiais de apoio. Aqui, ouvimos os executivos chave, levantamos informações já produzidas pelo cliente.

A seguir, construímos Estratégia Corporativa de forma colaborativa, utilizando de workshops revisitando o posicionamento do negócio e definindo os novos objetivos. Informações de mercado são compartilhadas por especialistas para enriquecimento do processo criativo do grupo.

Já a Estratégia Tática é  formada por uma equipe de especialistas da Addunt e do cliente – acreditamos que a ao fazer desta forma, torna-se elemento chave no sucesso da execução.

À luz dos objetivos estratégicos definidos pelo Board, construímos os objetivos, iniciativas e métricas das Diretorias, com a participação das áreas (gerentes, coordenadores e supervisores), visando maior engajamento na transformação organizacional.

Por fim, temos os resultados consolidados. Na etapa final, estabelecemos o novo mapa de objetivos e priorização das iniciativas conforme relevância para o negócio e complexidade de execução.

 

 

Design de gestão e operação

Estes projetos passam por um ciclo de três etapas que garantem o alinhamento estratégico junto ao negócio, à construção colaborativa com membros chave e o detalhamento guiado por uma cultura ágil:

  1. Visão estratégica – Neste momento, os consultores da Addunt sentam com executivos chave da organização e traçam os objetivos estratégicos e desafios esperados para o momento do negócio.
  2. Construção colaborativa – Encontros em workshops colaborativos guiados por ferramentas Lean e Design Thinking. Aqui identificamos os principais desafios, oportunidades e soluções. Práticas de mercado são compartilhadas por especialistas com a finalidade de enriquecer o processo.
  3. Estruturação do Roadmap – Etapa construção do roadmap de ações e projetos necessários para que a transformação aconteça, contemplando os recursos necessários e a prioridade para o negócio.

Implementação dos projetos

Os projetos de implantação da transformação organizacional são compostos por uma tríade simultânea de governança, execução ágil e gestão da mudança. Essas ações são guiadas por ferramentas de agility que garantem as entregas e o engajamento para mudança.

  1. Execução ágil  – Nesta etapa, a Addunt conta com a participação de parceiros em etapas de automatização RPA, BI, IA e Workflows em nuvem. As equipes de planejamento e execução das ações atuam em ciclos curtos de entregas claras e objetivas, guiadas por ferramentas da cultura Ágil.
  2. Governança – Comitê horizontal responsável pela tomada de decisão estratégica, monitoramento de riscos e stakeholders chave para o projeto.
  3. Mudança  – Equipe focada na avaliação dos impactos na organização e implantação das ações de comunicação, engajamento e capacitação.

 

Por que design colaborativo?

A Addunt entende que um empresa/instituição em que suas estruturas estão ligadas por meio de design colaborativo permite uma maior integração das áreas na construção das próprias soluções. Nossa atuação inclui:

  • Práticas de mercado e conceitos compartilhados pela Consultoria, em etapas de imersão, para enriquecimento do processo criativo do grupo;
  • Estimular a inovação organizacional por meio de técnicas de facilitação que trabalham o diálogo aberto e horizontal e o pensamento lateral;
  • Conversão de conflitos em tensão criativa e geração de um
    maior engajamento para mudança;
  • . Orientação por premissas e contratos coletivos que norteiam o fluxo de trabalho do grupo.

 

Na próxima semana, na segunda e ultima parte deste artigo, vamos conhecer algumas soluções Addunt para esta transformação:

  • Catálogo de Serviços de TI
  • Governança dos Dados
  • Business Agility

Alem de abordar outros pontos importantes como os estágios da cadeia de inovação,  os modelos de produção e comercialização e o Quick Assessment Addunt.

E para finalizar você vai entender como a Addunt pode implementar um Projeto de Transformação Digital em sua empresa. Não Perca!

Alguns Clientes

Translate »